(Best of 2011)Meus álbuns favoritos de 2011

Até dois anos atrás eu sempre fui um daqueles adolescentes saudosistas que babam ovo para o passado. Para mim, a década de 70 era a melhor,ao meu ver, naquela época não existia música comercial, a música daquela época era arte verdadeira, enquanto a cena musical atual, em que eu vivia, era sempre a pior, comercial e pobre.  Em especial, eu adorava odiar a música eletrônica: como putz putz pode ser música?; como uma música feita para dançar e ser curtida nas pistas pode ser levada a sério? Obviamente eu estava errado. Tomei contato com bandas atuais  tão boas quanto os clássicos, às vezes chegando até a os botar no chinelo. Já escrevi um ou dois posts sobre isso.

Então, para me manter mais atualizado na cena musical atual, perceber como os novos estilos surgem e evoluem, decidi,no começo desde ano, acompanhar vigorosamente os álbuns que seriam lançados. O resultado está aqui. Uma lista modesta dos meus favoritos do ano.

Formato: Posição –  Artista – Álbum   Gravadora / Gênero

#1. –  Andy Stott – We Stay Together   Modern Love / Dub Techno + Dubstep

Andy Stott - We Stay Together
Andy Stott – We Stay Together

                                                                                                                                                                                                      

               Antes de conhecer Andy Stott, tinha quase certeza de que o álbum do ano seria Hash-Bar Loops do DeepChord. A única concorrência ameaçadora era Biophilia da Björk (que nem está na lista, foi uma das decepções de 2011).

Andy Stott surpreendeu.  Nunca imaginaria que o dub techno poderia soar tão escuro, infernal e lamacento quanto as faixas de We Stay Together e Passed me By.

#1½. –  Andy Stott  – Passed me By   Modern Love / Dub Techno + Dubstep

Andy Stott - Passed me By
Andy Stott – Passed me By

                                                                                                                                                                                                                              


#2.  –  Deepchord – Hash-Bar Loops   Soma Records / Dub Techno

Deepchord- Hash-Bar Loops
Deepchord – Hash-Bar Loops

Produzido à base de Field recordings captados em diversas localidades de Amsterdã ( na janela do quarto, perto de lagos, no centro movimentado, em becos, ao lado de pessoas conversando em baladas) e hipnóticos loops estonteantemente repetitivos, Hash-Bar Loops funciona como uma viagem canábica pela vida noturna de da cidade.

#2½.  –  Deepchord – Hash-Bar Remnants Pt2  Soma Records / Dub Techno

DeepChord - Hash-Bar Remnants Pt2
DeepChord – Hash-Bar Remnants Pt2


# 2¾–  Deepchord – Hash-Bar Remnants Pt1  Soma Records / Dub Techno

DeepChord - Hash-Bar Remnants Pt1
DeepChord – Hash-Bar Remnants Pt1

# 3.  –  Grouper – A I A : Alien Observer Yellowelectric / Drone Folk + Dream Pop

Grouper - Alien-Observer
Grouper – Alien-Observer

“look into the night sky
looking towards the big lights
looking out to be free
suddenly something passes by my window
i feel it in the darkness
i get to feel it sometimes
following the street lamps
wondering how were ever meant to hide
going to take a spaceship
fly back to the stars
alien observer in a world that isnt mine”

#3½. –  Grouper – A I A : Dream Loss Yellowelectric / Drone Folk + Dream Pop

Grouper - Dream Loss
Grouper – Dream Loss

#4. – A Winged Victory For The Sullen  –  A Winged Victory For The Sullen  Kranky / Modern Classical + Drone

A Winged Victory For The Sullen
A Winged Victory For The Sullen

Colaboração entre Adam Wiltzie (Stars of The Lid) e Dustin O’Halloran. Delicado e melancólico, soa como Stars of The Lid com mais influências clássicas, demonstradas pelo piano e violino, que roubam a cena sobre os drones orquestrais.

#5. – Nicholas Szczepanik  –  Please Stop Loving Me  Streamline / Drone

Nicholas Szczepanik - Please Stop Loving Me
Nicholas Szczepanik – Please Stop Loving Me

Álbum de uma única faixa. 47 minutos de drone etéreo e melancólico.

#6. – Blanck Mass  –  Blanck Mass  Rock Action Records / Drone + Noise

Blanck Mass

Projeto paralelo de um dos hipster do Fuck Buttons. Sons relaxantes, multicoloridos e cheios de texturas e camadas.  As músicas evoluem calmamente: iniciam pacatas e simples até explodirem em dimensões gigantescas e preencherem os ouvidos com drones, loops de piano, vento, melodias distantes  e várias camadas de som.  Álbuns como esse me deixam imaginando como tamanha beleza consegue ser transmitida através de tanto barulho e aspereza.

#6.  – Anthony Paul Kerby and Tomas Wiss  –  Distant Shadows  Construct / Ambient

Anthony Paul Kerby and Tomas Weiss - Distant Shadows

Tá vendo essa imagem? Queria ir lá? Só ouvir o álbum e fechar os olhos.

#7. – cv313 –  Seconds to Forever  echospace [detroit] / Dub Techno

cv313 - Seconds to Forever
cv313 – Seconds to Forever

#8. – Tim Hecker  –  Ravedeath,1972  Kranky / Drone + Noise

Tim Hecker -  Ravedeath,1972
Tim Hecker – Ravedeath,1972

#10. – Kassem Mosse  –  Enoha EP  Nonplus Records / House

Kassem Mosse - Enoha EP
Kassem Mosse – Enoha EP

#11. – Colin Stetson – New History Warfare Vol. 2 Judges   Constellation / Avant-garde Jazz

Colin Stetson - New History Warfare Vol. 2- Judges
Colin Stetson – New History Warfare Vol. 2- Judges

Colin Stetson pegou um saxofone barítono, colocou 26 microfones no seu interior, convidou umas cantoras e pediu para elas ficarem falando sobre vilas antigas, tristeza e cavaleiros medievais enquanto ele improvisava. Simples e muito efetivo.

#12. – Oneohtrix Point Never  –  Replica  Software / Electronic

Oneohtrix Point Never  - Replica
Oneohtrix Point Never – Replica

#13. – SBTRKT –  SBTRKT  Young Turks / Future Garage

SBTRKT - SBTRKT

#14. – James Blake  –  James Blake  Universal,Polydor / Future Garage

James Blake

#15. – Pete Swanson  –  Man With Potential  Type,Type / Noise + Techno

Pete Swanson - Man With Potential
Pete Swanson – Man With Potential

Pete Swanson é um dos caras por trás duo de drone e harsh noise Yellow Swans. Em Man With Potential, arrancou toda melodia existente no Techno tradicional e enfiou ondas de barulho no lugar. O resultado é um techno destruído,deformado e insano.

#16. – Cokiyu – Your Thorn   flau / Twee Ambient

Cokiyu - Your Thorn
Cokiyu – Your Thorn

Álbum fofo. Vocais femininos que parecem ser cantados por uma criança acompanhados por melodias felizes e inocentes. Coisa para se ouvir deitado na grama, em uma tarde ensolarada, com alguém especial ao lado. ^^

#17. – Girls’ Generation  –  The Boys  S.M. Entertainment/ K-Pop

You Mad,bro?

As meninas do Girls’ Generation cresceram. Não é exagero chamar de “Women’s Generation” .  Com menos inocência e aegyo e mais glamour e sensualidade, elas agora buscam dominar o mundo ocidental. YOU MAD,BRO?

#18. –  Death Grips  –  Exmilitary  Third Worlds / Hip Hop + Rock

Death - Grips-Exmilitary

 

“I FUCK THE MUSIC, I MAKE IT CUM

I FUCK THE MUSIC WITH MY SERPENT TONGUE

#19. – Gang Gang Dance  –  Eye Contact  4AD / Synth Rock + Psychedelic Rock

Gang Gang Dance - Eye Contact
Gang Gang Dance – Eye Contact

“I can hear everything. It’s everything time”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s