Três álbuns de jazz

Mais um post aqui no Música Sem Foco. Desta vez vou falar um pouco dos álbuns de jazz que tenho ouvido nestas últimas semanas. Fiquem à vontade para dar sua opinião!

stanko-tomasz-music-for-k-20120212021946

Tomasz Stańko – Music for K (1970)

Angustiante. Explosivo. Comovente. Lançado em 1970 “Music for K” é a dedicação de Tomasz Stańko a Krzysztof Komeda, falecido em 1969. Ambos os nomes são provenientes do jazz europeu, e especificamente o jazz polonês em uma estética propriamente nacional em relação à estetica do jazz norte americano.Um estudo amplo seria possível, em que examinaríamos a emergência desse estilo particularmente polonês de jazz, seus grandes idealizadores e popularizadores. No entanto nao tenho conhecimento suficiente e tampouco pretensões grandiosas. O que quero aqui é compartilhar com os amantes da música aquilo que tenho ouvido e admirado.

Krzysztof Komeda era pianista de jazz, band leader e compositor de trilha sonora para filmes. Foi o autor da trilha sonora de Rosemary’s Baby, dentre outros filmes. Tomasz Stańko é um dos mais famosos trompetistas da polônia, que tocou com Komeda em seu aclamado Astigmatic, de 1966. Inicialmente como um membro de banda, e futuramente como band-leader, Stánko tem lançado desde a década de 70 excelentes álbuns. Do trompetista também ouvi Dark Eyes, de 2009.

Em Music for K stánko e sua banda tocam post-bop, aquele jazz que se fixa exatamente no ponto entre o bebop e o free jazz. Não contitui um álbum-exemplo de bebop por ter notas mais longas, e andamentos variados entre explosões de pessimismo ao desespero rastejante. É um álbum em que as músicas se desenvolvem em diversos andamentos, sendo a aflição um sentimento constante durante o álbum todo. Também não é um álbum estritamente de free jazz porque as músicas têm temas e motivos que são apresentados no início, para então se desintegrar em um caldeirão de instrumentos raivosos e potentes. Em uníssono, e ao mesmo tempo em caos, os instrumentos gritam em catarse expelem desespero. Então o tema é retomado e a banda devolve o ouvinte exatamente aonde ele estava quando a peça começou. Mesmo as sessões em que os instrumentistas livremente improvisam e solam todos ao mesmo tempo guardam para si um senso de conjunto em que a angústia dá a liga. Os temas, tanto da primeira música – The Ambusher – quanto a faixa-título de 16 minutos, são memoráveis.

Como um comentário à parte, Astigmatic de Komeda também tem esse conteúdo de aflição e angústia; Dark Eyes de Stánko é bastante nublado e rastejante. Talvez a estética do jazz polonês inclua esta atmosfera de sofrimento. A peça de música clássica The Awakening of Jakob, usada no filme The Shinning de Stanley Kubrick, com sua seção de metais que a cada pulso parecem soprar terror nos cantos mais inabitados do ser,  e com cordas de violino e violoncelo que parecem raspar  a alma, é absolutamente horripilante e angustiante.

Download

url

Bobby Hutcherson – Dialogue (1965)

Acima, jazz europeu. Post-bop polonês. Aqui, jazz estadunidense. Post-bop do percussionista (vibrafone e marimba) Bobby Hutcherson. O conceito do álbum é o diálogo, em que ideias contribuem a partir de diferentes pontos de vista para formar uma integridade cujo poder total é muito maior do que a simples soma das forças individuais. Apesar de o álbum ser creditado a Bobby Hutcherson, muitas vezes o pianista Andrew Hill, compositor de 4 das 6 faixas do álbum e ávido cheirador de cocaína, é quem lidera. O estilo do pianista, famoso também pelo frenético álbum de bebop Black Fire, é imprevisível e independente. Quando ele lidera, é como se apresentasse um ponto de partida aos membros do grupo e ao mesmo tempo constituisse a vanguarda da peça. Ainda assim, por ser um diálogo, o álbum é absolutamente consensual, os músicos alternam-se entre os papeis de condutor da música e muitas vezes, como na faixa Idle While, percebe-se instrumentistas intensamente focados em sua própria seção, improvisando livremente, mas ao mesmo tempo em sintonia com o andamento e humor da composição. O álbum varia entre trechos mais mais rígidos, com temas fortíssimos, como o da abertura Catta, a seções mais livres e esparsas, com improvisos coletivos e simultâneos, como na faixa título. Algumas seções são mais melódicas, como Idle While a que Sam Rivers traz doçura com a flauta, e a sensual Ghetto Lights, já outras, como Les Noirs Merchants, e a própria Dialogue, são sombrias e intensas. Em alguns trechos me parece claro que o integrantes não estavam buscando necessariamente a beleza, ou não tinham a atenção de que o que compunham fosse agradável, mas sim queriam se envolver com o interplay e deixar a música fluir da forma que o arranjo, e a própria banda, assim desejassem. A última faixa não estava inclusa no LP lançado em 1965. Seu título, Jasper, é uma alusão perfeita ao êxtase e a vertigem do bebop.

O álbum foi lançado pela Blue Note, uma gravadora especializada em jazz avant-garde, que a partir de 1939 produziu e lançou renomados álbuns, como Blue Train de John Coltrane, Workout de Hank Mobley, o próprio Point of Departure de Andrew Hill e muitos outros. A gravadora conseguiu estipular um padrão de qualidade e estilo, bem como o desenvolvimento de técnicas específicas na cena do jazz avant-garde, e influenciou a história do jazz como um todo.

Download

experience-ep

Joe McDuphrey – Experience EP (2002)

Primeiro e único álbum solo de Joe McDuphrey, mais conhecido como o tecladista do Yesterdays New Quintet. O EP conta com a participação de Otis Jackson Jr na bateria,também do Yesterdays New Quintet, e Russel Jenkins no baixo. Quem produz e mixa o álbum é Madlib, com dave Cooley na masterização. Com exceção dos dois últimos nomes, todos os outros já citados aqui são fictícios.

Madlib by Chris Woodcock

Este é o universo de Madlib, “DJ, produtor e MC”, nesta ordem particular de importância, segundo o próprio Madib. É o homem a quem a lendária gravadora de jazz Blue Note entregou seu acervo para ser trabalhado, resultando no excelente Shades of Blue – Madlib Invades Blue Note. Está por trás também de colaborações como Champion Sound, em que se reveza com Jay Dee from Slum Vill: enquanto um rima, o outro produz a batida, e vice-versa. Madlib é também quem cede os enfumaçados e fat beats do álbum Madvillainy à disposição das rimas de MF DOOM. Madlib ainda tem tempo para produzir e lançar os álbuns do vilão Quasimoto, frequentador de strip clubs, também conhecido por fumar maconha atrás da igreja com o padre, e por na hora do aperto sempre conseguir se safar da polícia por não
apresentar “nenhuma evidência“.

Quasimoto+png

Como se fossem poucos – os projetos e os heterônimos – Madlib ainda consegue criar, desenvolver e alimentar o “Yesterdays’ Universe”: o Yesterdays New Quintet, assim como todos os seus integrantes, com diversos projetos solos, são fruto da fértil mente de Madlib.

Em Experience EP, Madlib, agora devidamente apresentado e desmascarado, incorpora todos os integrantes da banda, produzindo os arranjos, e desenvolvendo cada camada das músicas – o baixo, os solos de Fender Rhodes e sintetizador, e a bateria. Os métodos de composição de Madlib são um tanto obscuros. Pelas informações que tenho, e pela dedução que faço ao ouvir as músicas (podendo estar errado, portanto) tenho a impressão de que Madlib grava a si mesmo tocando bateria. Com o as gravações em mãos ele então, como o exímio DJ e beat maker que é, faz loops. Possivelmente Madlib também pode fazer o mesmo com o baixo: tocar e se auto-samplear ou talvez simplesmente criar as linhas de baixo eletronicamente. O mais fantástico para mim é como, neste caso em que seus beats compõem músicas com tema, desenvolvimento, refrão, a programação de bateria é absolutamente viva, com viradas e outras mudanças de intensidade e ritmo. Como o EP é do tecladista do YnQ, ouvimos no EP uma série de experiências como timbres, texturas e cores nas melodias que Madlib improvisa nos teclados.

behindthebeat-madlib

Ainda especulando, Madlib também pode simplesmente samplear bateristas para fazer a seção rítmica do EP. Como exemplo temos as gravações de Madlib com o percussionista brasileiro Ivan Conti. Mas, no final das contas, é muito mais provável que Madlib misture em sua expertise samples de outros artistas, de artistas que trabalham com ele e também dele mesmo.

Experience EP é um curto álbum de jazz. Bastante leve, com uma seção rítmica muitíssimo inovadora e curiosa, e também com várias camadas de teclados relaxantes, confortáveis e com atmosfera urbana. Destaque para Song For Airto, com sua bela melodia e solo de piano de Joe McDuphrey.

Aqui não se deve esperar virtuosismo nos teclados, mesmo que seja o trabalho solo do tecladista Joe McDuphrei. Madlib demonstra virtuose como um beat maker, um produtor que funde hip-hop e jazz de forma absolutamente única, e que neste álbum particularmente está interessado em experimentar mais livremente as possibilidades do teclado em sua música.

Download

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s