Arquivo da categoria: Metal

Estreando: o nome de vocês. rsrsrsr

Fala Eustáquio! Deep Purple com Coverdale no vocal. Uma breguice danada! Adoro! E o Tommy Bolin aliviando na guitarra! Que play sensacional! Hard rock bemencaixado, com um groove de quebrar as cadeiras, som que meu pai, jovem, ouviria se tivesse um cabelão, e não houvesse nascido no Nordeste na época em que não existia internet. RISOS, Ana!

Para o marcio silva de almeida, de uma época em que o rock pesadão trazia essa carga de blues e de soul. Excetuando-se, claro, o PODEROSO Sabbath, que já havia se exorcizado dessas influências. Mas também o King Crimson, que explorou outras frequências e outras dimensões do som pesado. Sir Lord Baltimore… mas daí já é deixar de citar clássicos e apelar para os cults. Vocês estão ligados! Cada qual conhece pelo menos um desses! Riffs-e-raffs que nós gostamos. 

Come Taste the Band foi lançado em 1975, um ano antes de a história do heavy metal ser desfibrilada pela potência vocal de Rob Halford, e a guitarra-dupla maníaca dos Judas Priest em Victim of Changes.  Anos depois, Venom, Metallica, Slayer… estou me esquecendo de algum ponto nesta linha??? Me ajudem! Jimmy Hendrix há anos fritando já antes!

4dc01c3c.jpg
Tommy Bolin. Belo.

Tempos de peso : Resenha: Venom – Welcome to Hell (1981)

Há quem chame VENOM de “old metal”. Se não for ofensivo, então exatamente o que o álbum “Welcome to Hell” representa. No ano de 1981, uma data em que os “grandes do hard rock” estavam estagnados, os britânicos do Venon chegaram usando spikes, jeans, pentagramas e dando voadora na porta,

Vejam só, os também ingleses Deep Purple já não lançavam nada desde 1975. Em 1980, o ídolo John Bonham já era falecido. O YES, EMERSON, LAKE AND PALMER, CAMEL e o prog em geral nem se fala: estavam na praia fazendo artesanato. Dessa leva, KNG CRIMSON foi a banda que se imunizou ao tempo, se bem sucedendo sob a liderança de Fripp pelas ondas da New Wave. Dá pra ver então como por volta de 1980 o rock britânico estava devidamente desaquecido. E falta ainda adicionar no cenário o choque e revolução que o punk causou no rock. Em 1976 os SEX PISTOLS já tinham lançado “Never Mind the Bollocks, Here’s The Sex Pistols”,  e os RAMONES seu primeiro álbum, auto-intitulado.

O Venom, e a leva da Segunda Onda de Heavy Metal Britânico eram uma resposta a tudo isso. E se os punks gritavam “Anarchy in UK”, o Venom gritava “I’m In League With Satan”. Não só isso. O vocalista Cronos gritava “Junte-se à legião de VENOM. Porque nós vamos ficar selvagens. Nós vamos destruir você. ” Venom traz com clareza e, em MUITO ALTO e bom tom, temas sobre satã, putaria, drogas e degradação.

“Wellcome to Hell” foi supostamente gravado em 3 dias, e lançado com uma produção bem abaixo dos níveis de qualidade impostos pelas grandes gravadoras, com som barulhento. Isso porque a banda não tinha dinheiro nenhum, e pensava que estava gravando músicas demo. No final das contas, as demo se transformaram no debut da banda.

As influências de Venom no metal extremo são evidentes: além da temática satânica e explicitamente degradada, ajudou a popularizar um visual bem distinto do que o rock estava fazendo na época (seus contemporâneos do Mercyful Fate popularizaram o corpse paint) pavimentando o território e inspirando as seguintes gerações de black, death e thrash metal.

Apresenta potência sonora inesgotável. Sem dúvida nenhuma fundou o gênero do Black Metal, e a prova disso é que a faixa número 4, de 56 segundos, compostas de atmosferas sonoras, serviu de nome para a banda norueguesa Mayhem.

Só de pensar que essa pepita aqui foi lançada 5 anos antes de Reign in Blood, outro puta álbum definidor de gêneros, já oferece outra visão da dimensão da importância do Venom. E quem duvida, vai ouvir. Mas cuidado: depois que você tá dentro do círculo, não tem volta, Venom deixa selvagem mesmo!

Resenha: Álbum avulso do dia: ‘EYEHATEGOD’ – ‘TAKE AS NEEDED FOR PAIN’

O que se sabe desse álbum é que Mike Williams durante a gravação havia sido largado pela namorada, e já que estava sem lugar para ficar passou a morar num quarto abandonado acima de um strip club. Mike era conhecido por sofrer de asma, e viver últimas consequências da vida: além de ter perdido pai e mãe ainda quando criança, saiu de casa aos 15 de idade, e por anos viveu como usuário habitual de heroína. O álbum foi lançado em Dezembro de 1993 em New Orleans. EHGTANFPFront1As letras ficam praticamente incompreensíveis graças aos berros enfurecidos e rancorosos de Mike Williams. Os riffs de guitarra de Jimmy Bower são absolutamente pesados, incessantes, e poluídos. Muito feedback, distorção e ruído no decorrer de todo o álbum. A bateria soa bem abafada. Se esse álbum tivesse cheiro, ele ia feder até dar náusea.

O primeiro pico acontece com ‘Blank’, de 7min10, a faixa mais longa do CD, em que os grooves gordurosos que vão dominar os 50 minutos do play são introduzidos. A imundície sugerida pela setlist é rastejantemente preenchida. Em alguns trechos a banda exibe influências de hardcore punk e o ritmo dessa marcha putrefata é abruptamente acelerado.

Aos 19 minutos ‘Disturbance’ literalmente perturba ao interromper o álbum com um longo drone de 7 minutos, no qual uma voz que faz lembrar o áudio de alguma aula de medicina cirúrgica fala sobre “pacientes”, “decaptação”, “rins” e “tubos”. A quantidade de reverb nas guitarras e no baixo é tão cheia de camadas e densa que provoca uma espécie de sucção em areia movediça sonora.

1. “Blank” 7:10
2. “Sisterfucker (Part I)” 2:13
3. “Shoplift” 3:17
4. “White Nigger” 3:56
5. “30$ Bag” 2:51
6. “Disturbance” 7:01
7. “Take as Needed for Pain” 6:09
8. “Sisterfucker (Part II)” 2:39
9. “Crimes Against Skin” 6:49
10. “Kill Your Boss” 4:16
11. “Who Gave Her the Roses” 2:00
12. “Laugh It Off” 1:33
Total:
49:54

Mike na faixa homônima ao álbum segue com letras que talvez demonstrem o ódio transbordante que nutre por si mesmo:

Breast Fed From A Dog
Since The Day I Was Born
Severe Allergic Infektion
Lousy Lust Pimp

Narcotic Induced Hypo-Thermia

As faixas mais curtas do álbum – ‘Shoplift’, ‘White Nigger’, ’30$ Bag’, ‘Sisterfucker I e II – são praticamente indistinguíveis. O álbum ao todo soa como uma massa lodosa e homogênea. ‘Crimes Against Skin’ é no entanto a faixa com os riffs mais distinguíveis, na minha opinião. A impressão que fica é a de que o álbum flui muito bem.

O breakdown de ‘Who Gave Ger the Roses’ cessa abruptamente o álbum, que tem seu fim na bizarra ‘Laugh it Off’, uma colagem de som curta e perturbante. Ouvi o álbum pela primeira vez hoje, e agora, de madrugada, já o devo estar reproduzindo pela 7ª ou 8ª vez.

Para quem gosta de: Cromagnon, Black Sabbath, Boris e Sleep

É isso aí. O som é podreira mas a energia que quero passar é positiva: compartilhando o que eu gosto com pessoas que também vão gostar. Quem aí curte um sludge metal? Até a próxima!

Resenha: Por que Lateralus é um dos melhores álbuns de metal da década de 2000

Primeiro, deixando o álbum falar por ele mesmo.

É um privilégio histórico e tecnológico o ouvinte poder ter esse álbum a um clique e absolutamente de graça. A capa do álbum foi produzida por ninguém menos que o artista plástico e guru lisérgico Alex Grey.tool-alex-grey-98494-3456x2304Tool é uma banda dos Estados Unidos formada por Maynard James Keenan, Danny Carey, Adam Jones e Justin Chancellor. Durante a década de 90 e 00 o grupo se firmou no monte do Olimpo do metal impondo sua sonoridade pesada e atmosférica. Lateralus é na minha opinião o melhor álbum da banda, e uma das obras primas da década de 2000. top-tool-band-980x753Seria um erro postar de início alguma faixa isolada. Parece que nenhuma está completa sem a outra. Existe uma estranha continuidade misteriosa que envolve todas as faixas.E essa continuidade vai além de o final de uma composição ser o prelúdio ideal para a próxima, estou falando de algum tema ou motivo que permanecem constantes durante todo o álbum. Talvez seja pela influência da bateria de Danny Carey, inspirado por percussão cíclica e padrões geométricos.

194px-Interwoven_unicursal_hexagram.svg
Bateria inspirada no Hexagagrama de Unicurso.

Lateralus é um album capaz de fluir do metal mais pesado àquilo que há de mais leve. E o mais alucinante é a habilidade que a banda tem de construir a atmosfera, elevando o som, pouco a pouco, e cada vez mais, a níveis estratosféricos e colossais. Tool é também o caminho entre o peso de bigorna na cabeça e a pena branca ao vento. Isso também pelo vocal do ex-psicótico, alucinado e emotivo, e agora cowboy, Maynard Keenan, conhecido também pela banda de new metal grunge que tinha com a atual baixista do Pixies, Paz Lechantin.

O álbum foi premiado com o Grammy para a Melhor Performance de Metal. Outros premiados já foram Ozzy Osbourne, Korn, Nine Inch Nails e Metallica.

É desse tipo de metal que tô falando!

Esse metal que parece ser inspirado por saltos de tirolesa em plena cidade de céu nublado. Do topo de um prédio até a avenida movimentada, onde de um pulo você cai no banco do automóvel que rasga o asfalto. Cabelos ao vento. E combinado com a suavidade mais tranquila, hipnótica, em mantra. Pra mim tem a ver com a guitarra de Adam Jones, que vai do riff mais arrepiante, arrancando aquela montanha russa na nuca, até drones áspero e massageantes. O guitarrista também é artista visual para os shows e alguns clipes da banda.

(Esse vídeo não é feito pelos caras da banda. A versão do fã ficou bem melhor – foda-se)

Meditativo, mas também aterrorizante. Apesar de Maynard sussurrar em Disposition. ” – We Are All Equal” , o desfecho do álbum com a tribal Triad diz que alguma apreensão está próxima. Então vem a última faixa, Faap de Oaid, daquelas atmosferas aterrorizadoras a que só o krautrock mais kósmico pode se igualar. Mas Faap de Oaid não é sobre correntes sendo batidas em latas ou mulheres gemendo no microfone. É sobre o depoimento de um funcionário da área 51 sobre ET’s a uma transmissora de rádio.

Mas se a última faixa é uma incitação à loucura e à insanidade, o ciclo retorna ao princípio, em que o berro de The Grudge, um dos mais longos e rasgantes do metal, incita que devemos mesmo é “let go!”. Álbum em espiral ou mandala. Pérola high tech de virada de século. Ano de 2001.

tumblr_n2ae4wkQvW1qebxmho1_1280Produção feita por Dave Botrill, que também produziu para o Dream Theater. Em poucas palavras: Lateralus é um dos melhores álbuns da década de 2000 porque pegou o metal progressivo mais sofisticado, o sludge mais sujo, e também se refrescou no new metal e na música oriental. Os músicos, se não todos de virtuose, têm inegavelmente habilidade, controle e disposição de técnicas e linguagens versáteis, além de estarem profundamente envolvidos no processo de produção do conteúdo audiovisual. tumblr_lxmz6i12b01qmidx6o1_1280 tumblr_mlx27wf7BJ1s5e7aco1_1280

Na minha cabeça vêm aquelas imagens de Need For Speed 3:Hot Porsuit kkkkkkkkkkkk

Alguma coisa que brota na minha mente ocasionalmente durante a audição. Sensação misteriosa que me inspira. Mas isso já tem a ver com a quinta dimensão, em que tudo é experiência e nada é comunicável. E essas experiências cada um tem sua própria. Qual a sua? O que acha desse som pesado e ao mesmo tempo polido? Existe sonoridade parecida?