Arquivo da tag: maynard james keenan

Resenha íntima: Mer de Noms

O álbum Mer de Noms é de uma sensibilidade ímpar. Organismo vivo, comunica-se comigo numa linguagem emotiva e sensual. A poesia íntima de MAYNARD J. Keenan fecha feriadas antigas com a delicadeza de uma energia feminina.

Run, desire, run, sexual being
Run him like a blade to and through the heart
No conscience, one motive
To cater to the hollow
Screaming

Uma safira sonora com sabor final de anos 90, tempero de um grunge paliativo mas também de um metal alternativo delicado. Os refrões e riffs fluem e são agradavelmente combinados, numa montãna-rusa sonora esparsa e viajante. Maynard, simplesmente, canta. Voz doce e ofendida, revoltada mas frágil. Com andamento vívido e melódico, a harmonia seduz a confissões e amarguras. Viciante.

9988ecee5c604e249e11f86fc188ac6e

Drunk on ego
Truly thought I could make it right
If I kissed you one more time to
Help you face the nightmare
But you’re far too poisoned for me
Such a fool to think that I can wake you from your slumber
That I could actually heal you..

PAZ Lechantin está jovial e branda, verdejante de perfumes e (…). A intro de Orestes é realmente de se canonizar no compêndio daquelas basslines misteriosas e melancólicas.

A produção do álbum em estúdio é de se arrepiar, pois as tracks soam tão limpas e cristalinas que é impossível não tirar o chapéu para o trabalho de mixagem de Billy Howerdel. Efeitos de overdub e arranjos orquestrais de muito bom gosto, retirados da cartola de um mago de estúdio. Mas ao vivo a banda também esbanja qualidade, com performances intensas.

Maynard maravilhoso usando longos cabelos de peruca e com unhas pintadas. Uma inspiração.

Difficult not to feel a little bit
disappointed, and passed over
When I’ve looked right through,
see you naked but oblivious.

And you don’t see me…  

Here I am expecting just a little bit too much from the wounded
But I see, see through it all, see through, see you.

Um álbum que fala a mim como um cúmplice falaria. O Leonardo, agora menos ingênuo, e com o coração já cicatrizado. Um Leonardo sensual, emotivo e sentimental.